Ocean Rig Mylos chega ao bloco BM-C-33
Navio-sonda será utilizado em campanha no pré-sal da Bacia de Campos.
 
 
 
 
No Brasil desde o dia 25 de outubro, o navio-sonda de sétima geração Ocean Rig Mylos, construído no estaleiro Samsung Heavy Industries, na Coreia do Sul, deixou o litoral de Niterói no dia 31 e partiu rumo ao bloco BM-C-33, onde a Repsol Sinopec Brasil fez as descobertas de Seat, Gávea e Pão de Açúcar. Juntos, os três prospectos representam a maior descoberta feita até o momento no pré-sal da Bacia de Campos, com estimativas in place de mais de 700 milhões de óleo e mais de 3 trilhões de pés cúbicos de gás.
 
"Daremos início ao plano de avaliação do bloco. O primeiro poço que iremos perfurar será o Seat 2, depois perfuraremos o Pão de Açúcar 2. Em ambos realizaremos um DST (procedimento para testar a pressão, a permeabilidade e a capacidade de produção de um poço). O terceiro dependerá da análise da sísmica em 3D que realizamos na área este ano e dos resultados dos dois primeiros poços de avaliação", explica Mariano González, diretor do Projeto BM-C-33 da Repsol Sinopec Brasil.
A Ocean Rig Mylos é uma das sondas mais modernas do mundo, podendo ser utilizada em lâmina d'água de até 3.700 metros. O alto nível de automação traz maior agilidade para as operações e reduz os riscos para os trabalhadores. E na questão ambiental, possibilita a operação com descarte zero.
 
"Há redundância em todos os equipamentos fundamentais da sonda, como no caso da torre de perfuração do tipo ‘dual activity', que permite uma maior optimização de tempo produtivo nas fases iniciais do processo, além de dois ROVs (veículos submarinos operados remotamente). Com a instalação de dois BOPs (equipamento para evitar perda de controle do poço) de sete gavetas, um já instalado e outro a caminho do Brasil, a Repsol Sinopec se antecipa às futuras regulações de segurança na indústria", conta Eugenio Roqueñí, engenheiro de perfuração e completação da Repsol Sinopec Brasil. 
 
A sonda ainda é equipada com cinco bombas de lama de perfuração com seis "shale shakers" (peneiras que separam o cascalho aderido à lama de perfuração). Esta configuração do sistema permite maior controle e eficácia no tratamento de fluídos. "O Ocean Rig Mylos tem as ferramentas mais modernas do mercado, que unidas a um rigoroso plano de treinamento de pessoal farão da embarcação uma referência nas operações da companhia", diz Roqueñí.
 
 
O bloco BM-C-33 é operado pela Repsol Sinopec Brasil (35%), em parceria com a Statoil (35%) e a Petrobras (30%). 
 
 
 
 
 
Carlos Malta encerra temporada 2013 do Sarau Repsol Sinopec
Show também foi o último do projeto na fundação Eva Klabin.
 
 
Com um show em que homenageou Elis Regina, Baden Powell e Vinicius de Morais, Carlos Malta encerrou a sétima temporada do Sarau Repsol Sinopec. Interpretando canções como "Nada será como antes", "Ladeira da Preguiça" e "Canto de Ossanha", ele mostrou sua maestria nos instrumentos de sopro, tocando pífano, flauta, clarinete e saxofone, entre muitos outros. 
 
 
"É uma honra ter o Carlos Malta, um verdadeiro escultor do vento, fechando mais uma temporada do Sarau Repsol Sinopec. Além de já ter tocado com muitos ícones da música brasileira, como Hermeto Pascoal e Gilberto Gil, Carlos Malta tem uma incrível carreira solo. Foi o sétimo ano de projeto, que segue sem jamais ter repetido um artista", disse Alejandro Roig, diretor de Comunicação e Relações Externas da Repsol Sinopec Brasil.
 
No palco, Malta foi acompanhado por André Siqueira na guitarra, Augusto Mattoso no contrabaixo e Kesso Fernandes na bateria. Após iniciar o show com uma sequência de músicas imortalizadas por Elis Regina, o artista prestou homenagem a uma dupla que ele próprio classificou como "insaciável": Baden Powell e Vinicius de Moraes. "Digo insaciável porque continuam, até hoje, com seus afro-sambas, influenciando muitos músicos da nova geração", falou Carlos Malta. 
 
 
A sétima temporada, que teve todos os shows transmitidos pela internet, com acesso a partir do site repsolsinopec.com.br ou pela página da companhia no Facebook, foi a última do Sarau na Fundação Eva Klabin. A partir do ano que vem, o projeto se muda para a Fundação Pequena Cruzada, também na Lagoa, no Rio de Janeiro.  
 
"Estou muito feliz por ter tocado no Sarau Repsol Sinopec, um projeto que acompanho desde seu início, do qual já assisti a vários shows. Um evento que valoriza a música brasileira e pelo qual grandes artistas já passaram", disse Carlos Malta ao encerrar o bis.

 
 
 
 
 
Assinada carta de intenção para afretar FPSO para Carioca
Plataforma iria para o bloco BM-S-9, no pré-sal da Bacia de Santos.
 
 
A Repsol Sinopec Brasil e suas parceiras no bloco BM-S-9, Petrobras e BG Brasil, assinaram carta de intenção com a Modec e a Schahin Petróleo e Gás para o afretamento de uma plataforma do tipo FPSO destinada ao projeto de desenvolvimento da produção da área de Carioca. 
 
 
A plataforma terá capacidade para processar até 100 mil barris de petróleo por dia (bpd) e 5 milhões de m³/dia de gás natural. A previsão é que a FPSO seja entregue até junho de 2016. A Repsol Sinopec Brasil detém 25% de participação no bloco BM-S-9, enquanto a Petrobras, que é a operadora, possui 45% e a BG Brasil 30%.



 

 
 
Prevenção de acidentes de trabalho
Atividades englobaram palestras, atividades de relaxamento e integração.
 
 
A Repsol Sinopec promoveu, entre os dias 21 e 25 de outubro, a Semana Interna de Prevenção de Acidentes de Trabalho (SIPAT). Neste ano, como forma de contribuir para a prevenção de acidentes, a companhia abordou a importância de uma vida equilibrada. 
 
Entre as atividades, duas palestras se destacaram: "Projeto arte de viver", abordando técnicas de relaxamento, e "Gestão do tempo", que tratou os riscos do estresse inerentes a um mal gerenciamento do tempo. Ao longo de toda a semana, os colaboradores da Repsol Sinopec também puderam fazer sessões de massoterapia.