Mapeando o pré-sal mar adentro

Método de reflexão sísmica em 3D permite o mapeamento da área do pré-sal.

 

 

Com recursos estimados em mais de 700 milhões de barris de petróleo leve e 3 trilhões de metros cúbicos de gás, o bloco BM-C-33, onde se encontram os poços Pão de Açúcar, Gávea e Seat, é um dos maiores desafios do offshore brasileiro. Por esta razão, a Repsol Sinopec Brasil, operadora do bloco, investe constantemente em projetos de pesquisa e desenvolvimento que viabilizem a sua produção.  
 
Um das fases do desenvolvimento do bloco BM-C-33 é o que utiliza o método de reflexão sísmica em 3D. Para quem não conhece, ou nunca ouviu falar do método de reflexão sísmica, ainda mais em 3D, pode-se compará-lo a uma grande ultrassonografia do fundo do mar, devido à sua larga e densa amostragem tanto em área quanto em profundidade de cada local. 
 
Essas amostragens são feitas a partir de ondas sísmicas artificiais, criadas através de emissões de ar comprimido, que são disparadas a cada 25 metros. São essas ondas que geram as reflexões sísmicas que serão transformadas em imagens geológicas do subsolo. Para captar esses dados, a Repsol Sinopec Brasil contratou a empresa PSG, e o seu navio Viking Ramform, que utiliza cabos do tipo GeoStreamer – cada um mede 8 km- que permitem a captação dos dados da reflexão para o mapeamento em 3D.
 
 
A transformação dos dados fornecidos pela sísmica em imagens é feita posteriormente no escritório da companhia, em Houston, por meio de um processo chamado de migração em profundidade. Nele, os técnicos da Repsol Sinopec utilizam computadores de "alta performance" para transformar os dados recebidos nas imagens que descreverão a geologia do subsolo pesquisado.
 
A combinação do método 3D, o tipo de cabos e o desenho de aquisição de alta densidade dos dados, é que oferece uma iluminação muito melhor, e em alta resolução, das estruturas desejadas. Isso permite a elaboração de modelos geológicos mais avançados, e a avaliação detalhada da potencialidade e características do bloco. Com informações mais confiáveis, a companhia pode aperfeiçoar seus projetos, e otimizar o processo de desenvolvimento.
 
Deve-se ressaltar que a segurança, a saúde dos trabalhadores e o eventual impacto ambiental são monitorados diariamente por técnicos da companhia, e pelos prestadores de serviço envolvidos no trabalho. O bloco BM-C-33 é operado pela Repsol Sinopec Brasil (35%), em parceria com a Statoil (35%) e a Petrobras (30%). 
 
 
 
 
 
Sarau Repsol Sinopec recebe Carlos Lyra

Ícone da MPB, Carlos Lyra canta sua obra no Sarau Repsol Sinopec Brasil. 
 
 
Quando a noite caiu sobre o Rio na última quarta-feira de abril, poucos poderiam imaginar que a poesia delicadamente tomaria conta de um pedacinho da cidade. Mas contradizendo o ceticismo que atravessa a nossa rotina, foi justamente isso o que aconteceu quando o mestre Carlos Lyra subiu ao palco do Sarau Repsol Sinopec Brasil, no Centro Cultural Eva Klabin.
 
Acompanhado apenas de seu violão, ele demonstrou logo nos primeiros acordes de "Minha namorada" que o lirismo é irmão da simplicidade, e que naquela noite outonal o amor não daria trégua no coração da Lagoa. Passeando por sucessos que fazem parte da história da MPB, e por que não dizer de todos nós, Carlos Lyra brindou a todos com o som que, cansado de ser moderno, hoje é eterno. 
 
E é eterno simplesmente porque ele encontrou, em mais de cinquenta anos de travessia, o que a maioria dos artistas passa a vida inteira procurando: uma voz própria, um estilo conhecido, reconhecido e difundido pelos quatro cantos do mundo. Entre as pedras do Arpoador e o pôr do sol do Morro Dois Irmãos, entre a harmonia Jobiniana e os sonetos de Vinicius, a lira de Carlos foi lapidada para transformar o balanço de Ipanema em acordes universais.
 
Apesar de ser um dos pilares da bossa nova - o estilo musical que ao lado do samba forjou a identidade brasileira- um show de Carlos Lyra, mesmo quando intitulado "Eu e a bossa", vai além da simples revisão de seus grandes sucessos. Pois como profetizou o grande Ary Barroso, ao comentar o primeiro LP do então jovem compositor de Ipanema, "Carlos Lyra sempre escolhe o sentido de sua paisagem". E a paisagem de Carlos Lyra é um mosaico de histórias, sorrisos e saudades.
 
 
Não há como assistir a um show de Carlos Lyra sem pensar em Tom, Vinicius, Nara, Bôscoli, Menescal e tantos outros que ao seu lado, direta ou indiretamente, foram responsáveis pela formação da moderna musica popular brasileira. Eles estão nos acordes, piadas, histórias e harmonias decantadas entre as canções do seu show. Um show que transforma a saudade em celebração. 
 
A participação do mestre Carlos Lyra na temporada de 2013 do Sarau Repsol Sinopec, confirma a importância desse evento no atual cenário da Música Popular Brasileira. Aliás, isso foi enfatizado pelo próprio Carlos Lyra ao final do show: "eu me sinto honrado em ser um dos convidados do Sarau, pois é um projeto cultural importantíssimo para a música brasileira"! É por causa de depoimentos como esse que o Sarau Repsol Sinopec, que agora é transmitido ao vivo pela internet no site da empresa, continuará com o firme propósito de difundir a beleza atemporal da cultura nacional. 
 
 
 
 
 
Um olhar sobre a educação
 
Repsol Sinopec Brasil apoia o desenvolvimento científico com a Cátedra Memorial da América Latina. 
 
 
Pensar a realidade latino-americana, e encontrar soluções para os desafios que se apresentam neste novo milênio. Esse é um dos principais objetivos da Cátedra UNESCO Memorial da América Latina, que chega ao seu sétimo ano discutindo a situação educacional no continente, e as possibilidades futuras num ambiente em constante transformação. 
 
Com apoio da Repsol Sinopec Brasil, uma de suas fundadoras, a Cátedra UNESCO Memorial da América Latina é um curso de extensão universitária feito em parceria com USP, Unicamp e Unesp, reunindo bolsistas latino-americanos e especialistas de renome internacional, em torno de questões diretamente ligadas ao cotidiano do continente. Este ano, o tema escolhido foi: "A educação superior na América Latina e os desafios do Século 21".
 
A aula inaugural da Cátedra aconteceu no dia 12 de abril, no Memorial da América Latina, em São Paulo, e foi ministrada pelo marroquino Jamil Salmi, especialista em educação e ex-coordenador do Programa do Banco Mundial de Ensino Superior, que falou sobre "o papel da educação superior nas sociedades modernas". Até o final do curso, conferencistas do mundo inteiro trocarão experiências sobre temas que vão do surgimento da educação superior de massas, à disputa por novos talentos na sociedade globalizada. Como resultado de todo esse trabalho, será produzido um livro com experiências de gestão na educação superior na América Latina.
 
A Repsol Sinopec Brasil apoia o desenvolvimento científico no país, por meio de ações como a Cátedra UNESCO Memorial da América Latina, que aproveita a pluralidade de ideias, pesquisas e ações difundidas pelo mundo, e tenta adaptá-las à narrativa latino-americana.
 
 
 
 
 
Premiação no Instituto Cervantes
 
Gerente de Segurança da Repsol Sinopec Brasil recebe condecoração do Governo da Espanha.
 
 
No último dia 25 de abril, o Instituto Cervantes foi palco da condecoração de um herói espanhol. O Sr. Juan Manuel Uriarte Ruiz Ruiz, recebeu das mãos do Cônsul Geral da Espanha no Rio de Janeiro, Don Alfonso Palazón, "La Cruz de Oficial de la Orden del Mérito Civil del Reino de España". Essa condecoração do governo espanhol é oferecida as pessoas que prestam, ou prestaram, extraordinários serviços em benefício da nação. O Sr.Juan Manuel Uriarte Ruiz Ruiz, foi agraciado com essa medalha devido ao trabalho em favor dos cidadãos espanhóis na Nigéria. O evento contou com a presença do CEO da Repsol Sinopec Brasil, José Maria Moreno, o Vice-Cônsul Geral no Rio de Janeiro, Carlos Perez Sanabria, além de diversas autoridades. O Sr. Juan Manuel Uriarte Ruiz Ruiz é o atual Gerente de Segurança da Repsol Sinopec Brasil, e sua presença valoriza ainda mais os quadros da companhia.