Entrevista com José Manuel Galindo Soler

José Manuel Galindo Soler, Gerente de Pesquisa e Desenvolvimento da Repsol Sinopec Brasil, fala sobre os projetos desenvolvidos por sua área, e faz uma análise sobre os desafios do setor petrolífero brasileiro.  

 
Operar em grandes profundidades, como na área do pré-sal, exigem um intenso trabalho de pesquisa e investimentos ao longo dos anos. Como a Repsol Sinopec Brasil está lidando com esses desafios?
 
 Os desafios de produzir petróleo no pré-sal são variados. E eles começam na própria logística necessária para operar em lugares distantes da costa, e com lâminas de água de vários metros. Esses desafios atingem toda a cadeia de produção, da exploração à produção. Estamos falando, por exemplo, da necessidade de melhorar a visualização do subsolo para podermos perfurar cada vez melhor e caracterizar com maior eficácia os reservatórios. É preciso garantir que o petróleo ou o gás fluirão do subsolo até a instalação de produção, com maior segurança, minimizando o impacto ambiental. Do ponto de vista da pesquisa, o que fazemos é identificar as lacunas tecnológicas que devem ser superadas para ajudar no desenvolvimento dos nossos campos. Uma vez identificados os desafios, tentamos minimizar ou eliminar essas lacunas tecnológicas, por intermédio de projetos de pesquisa e desenvolvimento (P&D).
 
 
 
 
Quais são os principais projetos em andamento?
 
Temos projetos em varias áreas. Somente na área de iluminação do subsolo desenvolvemos projetos desde 2010, voltados para melhorar a imagem do subsolo por meio do desenvolvimento de novos algoritmos sísmicos. Na área de caracterização de fluidos, temos vários projetos orientados a entender melhor como se produz a deposição de certos sólidos, como parafinas e asfaltenos. Estamos também com um projeto em curso na área de biocombustíveis, e alguns outros por começar na área de exploração e de tecnologia offshore.
 
Qual é o projeto que a Repsol Sinopec está desenvolvendo na área de biocombustível?
 
Estamos estudando o bioma da cana de açúcar, isto é, analisando o conjunto de micro organismos que vivem ao redor da cana de açúcar e identificando a função de cada um. Depois de identificados aqueles que têm efeitos benéficos, por exemplo, aumentando ou favorecendo o crescimento da cana, podemos pensar em potenciá-los. Isso é muito importante porque a cana de açúcar é a principal matéria prima para produção de etanol. Se melhorarmos o desenvolvimento da cana, poderemos aumentar a produção de etanol. 
 
Uma das principais exigências do governo federal nas rodadas de licitação tem sido a do conteúdo local. Como a Repsol Sinopec Brasil tem resolvido essa questão?
 
Esse assunto é  tratado fundamentalmente por outras áreas da companhia, mas a área de P&D também está tentando ajudar. Há quase dois anos, estabeleceu-se no Instituto Brasileiro de Petróleo, Gás e Biocombustíveis (IBP), um grupo nos quais várias companhias (Petrobras, Chevron, Shell, Statoil, BG e Repsol Sinopec) estão somando esforços para ajudar no desenvolvimento de fornecedores locais.
 
Estamos nos juntando a Organização Nacional da Indústria do Petróleo (ONIP), para auxiliar os fornecedores locais que precisam resolver algum desafio tecnológico. Com isso, eles poderão oferecer, com preços acessíveis e qualidade, os seus produtos ao mercado de petróleo. Um projeto piloto está  por começar nas próximas semanas, e, se tivermos sucesso, estenderemos melhor essa experiência. Dessa forma, a gente espera ajudar as companhias a cumprirem com as exigências de conteúdo local. 
 
 
 
 
Para terminar, existe algum tipo de parceria entre a Repsol Sinopec Brasil com outras empresas do setor?
 
Os projetos de exploração, antes comentados, estão sendo pensados junto com a Petrobras. Mas existem outras iniciativas, como por exemplo, a do COPEDI (Comitê Offshore de Pesquisa e Desenvolvimento, do qual fazemos parte). Ele consiste na reunião de um conjunto de empresas com a intenção de fazer projetos de pesquisa em cooperação. O primeiro projeto deve começar em breve. E temos também um dialogo bastante fluido com outras companhias, para procurar projetos que sejam de interesse comum. 
 
 
 

 

Por uma vida mais saudável
 
Programa de Qualidade de vida oferece novos conceitos de saúde na companhia.
 
 
Para a Repsol Sinopec Brasil seus colaboradores são a principal riqueza da companhia. Além de investir no crescimento profissional de sua força de trabalho, a empresa desenvolve diversos programas voltados para melhorar o cotidiano de cada empregado. Um deles é o "Programa de Qualidade de Vida", que visa conscientizar a todos sobre os benefícios de se levar uma vida mais saudável.
 
 
 
 
Baseado na tríade prevenção, vigilância e acompanhamento, o Programa de Qualidade de Vida engloba atividades físicas, médicas e alimentares destinadas aos colaboradores que desejam criar novos conceitos para o seu dia a dia. Esses conceitos são desenvolvidos por meio de análises clínicas periódicas que mensuram as principais causas que influenciam na saúde de cada indivíduo, como fatores biológicos, alimentação, cuidados com a saúde e estilo de vida.
 
E para modificar um estilo de vida pouco saudável, não há nada melhor do que fazer atividades físicas. Atualmente, a Repsol Sinopec Brasil oferece aos seus empregados academia de ginástica, massagem, ginástica laboral, shiatsu, e um grupo de corrida e caminhada (foto), que já participa de competições esportivas no Rio de Janeiro. Além de melhorar a saúde e retardar o envelhecimento, essas atividades são muito importantes para diminuir o estresse, promover o lazer e a integração entre os colaboradores.
 
Mas é claro que as atividades físicas, por si só, não bastam. É preciso mudar também os hábitos alimentares. Pensando nisso, foi criado o plano de alimentação saudável, onde nutricionistas da companhia elaboram um plano alimentar para cada colaborador, com acompanhamento regular e avaliação de resultados. Além disso, a companhia oferece diariamente uma opção saudável de alimentação, como barras de cereais e frutas frescas da estação.
 
Todas as ações do Programa de Qualidade de Vida têm a supervisão da área de Saúde Ocupacional da empresa. Essa área também é responsável pela divulgação das campanhas de saúde, vacinação, dos exames periódicos e do plano de qualidade de vida. "O monitoramento dos indicadores de saúde é feito por um sistema informatizado, que permite uma adequação das ações a partir das análises comparativas do período", destaca Elisabete Pelayo, analista do setor de Saúde Ocupacional da companhia.
 
No final das contas, as ações do Programa buscam diminuir, em seu universo laboral, aquelas que já são consideradas as principais causas de doenças em todo mundo: as doenças crônicas não transmissíveis. Ou seja, as doenças cardiovasculares, o sedentarismo, obesidade e as doenças respiratórias crônicas. Doenças que podem ser evitadas, ou pelo menos retardadas, se a pessoa adquirir hábitos de vida mais saudáveis.
 
Para Daniel Navaza, gerente de Compensação, Planejamento e Relações Trabalhistas, da Repsol Sinopec Brasil, o Programa de Qualidade de Vida é um sucesso justamente pela participação dos colaboradores da companhia: "Quem faz o programa são as pessoas que participam. Parece óbvio, mas somente com um alto nível de participação, obtemos as respostas necessárias para melhorá-lo cada vez mais".
 
Ainda segundo Daniel Navaza, os próximos passos do programa são: a criação da "Escola postural", onde os colaboradores diagnosticados com problemas crônicos de postura receberão atendimento personalizado para atenuar suas crises, e o convênio com farmácias para compra de remédios com descontos.
 
 
 
 
 
Liz Rosa no Sarau Repsol Sinopec Brasil
 
A cantora Liz Rosa se apresentou no Sarau Repsol Sinopec.
 
 
No último dia 29, o Sarau Repsol Sinopec Brasil recebeu a cantora potiguar Liz Rosa. Dona de uma voz cristalina, e presença de placo marcante, a cantora apresentou as músicas do seu primeiro CD, intitulado simplesmente de "Liz Rosa". No repertório, músicas como "A Maçã" (Djavan), "A Violeira" (Tom Jobim e Chico Buarque) e "Eu sou Aquela" (Joyce e Paulo César Pinheiro). O Sarau Repsol Sinopec é transmitido ao vivo pelo site da companhia.
 
 
 
 
 
 
Um selo de qualidade
 
Repsol Sinopec Brasil recebe selo do Instituto Totum.
 
A Repsol Sinopec Brasil recebeu o Selo do Instituto Totum de compensação de CO2. Este selo é destinado às empresas que desejam compensar as emissões de gases de efeito estufa, por intermédio do plantio de árvores. Para obter o selo, cada empresa deve ter um inventário de emissões auditado por uma certificadora credenciada, e se comprometer a continuar compensando suas emissões por um período de três anos. Com o apoio da Fundação SOS Mata Atlântica, a Repsol Sinopec Brasil compensou todas as emissões provenientes dos projetos de responsabilidade social da companhia.