Retrospectiva 2013
Principais destaques do ano foram o campo de Sapinhoá e o bloco BM-C-33, ambos no pré-sal

 
Ainda que já esteja no país desde a abertura do mercado de óleo e gás em 1997 e que já tenha obtido muitos êxitos, 2013 foi especial para a Repsol Sinopec. No início do ano, em janeiro, a companhia e suas parceiras no bloco BM-S-9, localizado no pré-sal da Bacia de Santos, iniciaram a produção do campo gigante de Sapinhoá, com um volume total recuperável estimado em 2,1 bilhões de barris de petróleo equivalente. 
 
 
Atualmente, o Consórcio BM-S-9 produz cerca de 30 mil barris de óleo por dia, por meio da FPSO Cidade de São Paulo, cuja capacidade é de 120 mil barris diários. O pico de produção desta plataforma deve ser atingido ainda em 2014, quando também se pretende iniciar a produção em Sapinhoá Norte, através da FPSO Cidade de Ilhabela, que terá capacidade para produzir até 150 mil barris por dia. 
 
Após realizar uma sísmica 3D no primeiro semestre, a companhia retornou em novembro ao bloco BM-C-33, no pré-sal da Bacia de Campos, onde foram feitas as descobertas de Seat, Gávea e Pão de Açúcar, com estimativas in place de cerca de 700 milhões de óleo e mais de 3 trilhões de pés cúbicos de gás. Para conduzir o Plano de Avaliação do bloco, a companhia afretou o navio-sonda de sétima geração Ocean Rig Mylos, um dos mais modernos do mundo.
 
“O primeiro poço que está sendo perfurado é o Seat 2. Depois perfuraremos o poço Pão de Açúcar 2. Em ambos serão realizados um DST (procedimento para testar a pressão e a capacidade de produção de um poço). A localização do terceiro poço dependerá da análise da sísmica feita na área no ano passado e dos resultados dos dois primeiros poços de avaliação”, diz Mariano González, diretor do Projeto BM-C-33.
 
 
Em dezembro, a Repsol Sinopec e suas parceiras no Consórcio BM-S-9 apresentaram à Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) a Declaração de Comercialidade da área de Carioca, localizada no pré-sal da Bacia de Santos. Com volume recuperável total estimado em 459 milhões de barris de óleo equivalente, o campo está localizado a cerca de 270 km da costa do estado de São Paulo.


 
 
 
Declaração de Comercialidade da área de Carioca
Volume recuperável da área é estimado em 459 milhões de barris de óleo equivalente
 
 
A Repsol Sinopec Brasil e suas sócias no Consórcio BM-S-9 apresentaram, no dia 19 de dezembro, à Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) a Declaração de Comercialidade da área de Carioca, localizada no pré-sal da Bacia de Santos. Na proposta encaminhada à ANP, o consórcio sugeriu que o novo campo seja denominado Lapa. 
 
Com volume recuperável total estimado em 459 milhões de barris de óleo equivalente (com gradação em torno de 26º API), o campo de Lapa está localizado a cerca de 270 km da costa do estado de São Paulo, em profundidade d'água em torno de 2.140 metros.
 
 
Junto com a Declaração de Comercialidade, o consórcio apresentou à ANP o Relatório Final do Plano de Avaliação da Descoberta, executado a partir do primeiro poço perfurado em 2007. Neste período, foram adquiridos dados sísmicos 3D e cinco poços foram perfurados, além da realização de três testes de formação e um teste de longa duração.
 
As parceiras da Repsol Sinopec Brasil (25%) no Consórcio BM-S-9 são a Petrobras (45%, e também operadora) e a BG E&P Brasil (30%). O Plano de Desenvolvimento do campo de Lapa será submetido à ANP em até 180 dias. O primeiro óleo do campo está previsto para o terceiro trimestre de 2016.
 
No bloco BM-S-9, o consórcio já produz no campo de Sapinhoá, por meio da FPSO Cidade de São Paulo, cerca de 30 mil barris de óleo por dia, através de um único poço produtor interligado. 

 
 
 
 
Repsol entre as 10 melhores do mundo em informação de Responsabilidade Corporativa
Companhia foi a primeira colocada no setor de óleo e gás
 
 
A Repsol Sinopec Brasil tem o orgulho de anunciar que, em pesquisa promovida pela consultoria KPMG para avaliar a qualidade dos Informes de Responsabilidade Corporativa, a Repsol foi classificada entre as dez melhores empresas do mundo neste quesito, sendo a primeira entre as companhias do setor de óleo e gás.
 
O estudo Survey of Corporate Responsibility Reporting é publicado a cada dois anos desde 1993. A edição de 2013 reúne as 100 empresas líderes em faturamento de 41 países, totalizando 4.100 companhias divididas em 15 setores de atividade. 
 
A Repsol também foi escolhida pelo comitê que elabora a pesquisa para que a companhia conte sua experiência na seção Lessons from the leaders, servindo de referencia para outras empresas. 
 
A companhia tem um extenso histórico de reconhecimento ao seu trabalho no âmbito da sustentabilidade, integrando os mais importantes rankings internacionais de responsabilidade corporativa, como o Índice de Sustentabilidade Dow Jones, do qual foi líder de seu setor por dois anos consecutivos. 
 


 
 
 
SOS Mata Atlântica apresenta resultados de 2013
Criada em 1986, organização atua na conservação da floresta mais ameaçada do país e dos ambientes costeiros e marinhos a ela associados
 
 
A Fundação SOS Mata Atlântica, parceira da Repsol Sinopec Brasil desde 2006, apresentou no dia 16 de dezembro seus resultados em 2013. Nesse ano, a Fundação se reestruturou e passou a funcionar com três áreas de atuação: floresta, ambiente urbano e mar, mas sempre tendo em vista a interconectividade que se aplica aos ecossistemas. 
 
 
O programa Florestas do Futuro, por meio do qual foi iniciada a parceria entre a Repsol Sinopec e a SOS Mata Atlântica, chegou a um total de 693.948 mudas em 2013. O foco do programa é a recuperação de matas ciliares em bacias hidrográficas importantes para a produção de água e conservação da biodiversidade. 
 
“A Repsol Sinopec tem muito orgulho de ser a única empresa de petróleo e gás parceira da SOS Mata Atlântica. É uma instituição muito séria e que presta um serviço inestimável para a sociedade brasileira. Através do programa Florestas do Futuro, a companhia plantdou duas florestas de área equivalente a 22 campos de futebol às margens do rio Paraíba do Sul, no estado do Rio de Janeiro, e também na bacia do rio Tietê, no estado de São Paulo”, diz Alejandro Roig, diretor de Comunicação e Relações externas da Repsol Sinopec Brasil.
 
 
Com relação ao programa Costa Atlântica, também apoiado pela Repsol Sinopec, os projetos beneficiados pelo seu 5º edital tiveram suas atividades iniciadas em 2013. Esses projetos irão contribuir para a proteção de mais de 1,5 milhão de hectares em áreas no mar e na costa de quatro estados brasileiros. O programa também lançou seu VI edital, com a aprovação de mais seis projetos que irão beneficiar mais oito unidades de conservação em seis estados.


 


 
Funcionários da Repsol Sinopec recebem Diploma de Reconhecimento
Colaboradores foram premiados por conta da implementação dos sistemas de informação e comunicação do navio-sonda Ocean Rig Mylos
 
 
O gerente de Sistemas de Informação da Repsol Sinopec, Adrián Digilio, o chefe de Infraestrutura Fábio Porto e o analista sênior Renato Spozzido receberam o Diploma de Reconhecimento, entregue pelo CEO da companhia, José María Moreno, no dia 18 de dezembro. O reconhecimento foi concedido pelo trabalho no projeto de instalação de equipamentos de tecnologia da informação e comunicação no navio-sonda Ocean Rig Mylos, que está sendo utilizado no plano de avaliação do Bloco BM-C-33, localizado a cerca de 200 quilômetros da costa, no pré-sal da Bacia de Campos.
 
 
“Foi um trabalho muito árduo e complexo, que exigiu uma grande dedicação de toda a equipe envolvida. Primeiro tivemos que trabalhar a partir da Coreia, onde fica o estaleiro em que a sonda foi construída, com uma grande diferença de fuso horário, sempre coordenando equipes na Espanha e no Brasil. Estou bastante feliz porque a equipe toda mereceu este reconhecimento. Foi um projeto muito desafiador e empolgante. Que venham outros desafios”, conta Digilio.
 
O Diploma de Reconhecimento é concedido pela Repsol Holding a funcionários que apresentam um desempenho destacado em suas atividades. 


 
 
 
Viva Rio completa 20 anos
Comemoração teve show de Caetano Veloso e Gilberto Gil
 
Em festa realizada no dia 17 de dezembro na quadra da Unidos da Tijuca com patrocínio da Repsol Sinopec Brasil, a ONG Viva Rio, que promove trabalhos de campo, pesquisas e a formulação de políticas públicas para fomentar a cultura de paz e o desenvolvimento social, comemorou duas décadas de existência. Com mais de 3 mil pessoas, o ponto alto da comemoração foi o show de Caetano Veloso e Gilberto Gil.
 
“Em 1993, um grupo de cariocas se uniu para dar um basta à violência. O movimento deu origem ao Viva Rio. Naquela época promovemos dois minutos de silêncio para convidar os cariocas à reflexão. Fiquemos novamente em silêncio e pensemos sobre o que queremos para nossa cidade”, pediu Rubem César Fernandes, fundador e diretor-executivo da Viva Rio.