Repsol Sinopec aprova Plano de Sustentabilidade
Para elaborar o Plano, a companhia identificou as expectativas de todos os stakeholders
 
 
Em reunião realizada no dia 23 de janeiro, o conselho diretor da Repsol Sinopec Brasil aprovou seu Plano de Sustentabilidade. Desta maneira, a companhia reafirma seu compromisso de, ao produzir uma energia imprescindível para a sociedade, fazê-la de forma a promover o desenvolvimento sustentável, sempre levando em consideração as questões éticas, ambientais e sociais em seus processos de tomada de decisão.
 
"Para que nosso desenvolvimento seja sustentável, também promovemos uma série de atividades de Responsabilidade Corporativa, que é a responsabilidade que assumimos de modo voluntário. E esta vai além do legalmente exigido em relação aos impactos que nossas operações podem causar. Com o Plano de Sustentabilidade, buscamos responder às expectativas que nossos stakeholders têm em relação ao nosso negócio, desenvolver práticas que maximizem os impactos positivos e previnam, mitiguem ou compensem qualquer possível dano", afirma o CEO da Repsol Sinopec Brasil, José María Moreno.
 
Para elaborar o Plano, a companhia identificou as expectativas de todos os stakeholders sobre questões relacionadas a governança, respeito pelos direitos humanos, práticas de trabalho, impactos sobre o meio ambiente, legitimidade de nossas práticas operacionais e de nossa cadeia de valor.
 
A identificação dessas expectativas se deu a partir da análise de quatro padrões internacionais que compõem o mais amplo consenso internacional sobre o comportamento que se espera de uma grande empresa: os princípios orientadores sobre empresas e direitos humanos da Organização das Nações Unidas; a norma internacional ISO 26000: orientações sobre responsabilidade social; as diretrizes da OCDE para empresas multinacionais; os padrões de desempenho do marco de sustentabilidade da International Finance Corporation (IFC).
 

 
 
 
FPSO Cidade de Ilhabela chega ao Brasil
Unidade irá operar no campo de Sapinhoá, no pré-sal da Bacia de Santos
 
 
O FPSO Cidade de Ilhabela (unidade flutuante de produção, armazenamento e transferência de petróleo e tratamento de gás), programado para operar no campo de Sapinhoá, na Bacia de Santos, chegou ao Rio de Janeiro no dia 29 de dezembro, vindo da China, onde foi convertido a partir de um navio petroleiro no estaleiro CXG.
 
Desde o dia o dia 12 de janeiro, o FPSO está atracado no estaleiro Brasa, em Niterói, para a conclusão das operações de içamento e integração dos módulos da planta de processamento. A obra de integração dos módulos será executada pelo estaleiro em parceria com a SBM Offshore e o Grupo Synergy. O estaleiro Brasa também é responsável pela construção de 13 dos 18 módulos que compõem a planta de processamento do FPSO Cidade de Ilhabela.
 
 
A plataforma, que tem capacidade para armazenar até 1,6 milhão de barris de óleo, deve entrar em operação no segundo semestre de 2014. Instalada em profundidade de 2.140 metros, terá capacidade para processar até 150 mil barris por dia (bpd) de petróleo e comprimir diariamente 6 milhões de m³ de gás.
 
Além da Repsol Sinopec Brasil (25%), o consórcio que detém a concessão do campo de Sapinhoá, no bloco BM-S-9, é operado pela Petrobras (45%) e tem também a BG E&P Brasil (30%) como parceira. O FPSO Cidade de Ilhabela foi afretado ao consórcio SBM/QGOG (Queiroz Galvão Óleo e Gás), que será responsável pela operação da unidade.
 
 
 
 
 
Programa Master inicia seleção de profissionais para 2014
Curso é desenvolvido pelo Centro Superior de Formação Repsol, em Madri
 
 
A Repsol está sempre em busca de novos talentos. Com esse objetivo, todo ano a companhia seleciona brasileiros recém-formados em engenharia e geociências para fazer um curso na Espanha de especialização em Exploração e Produção de Hidrocarbonetos. As inscrições para a edição deste ano começaram na última semana de janeiro e devem ser feitas exclusivamente pelo LinkedIn da Repsol Sinopec Brasil.
 
"O curso é desenvolvido pelo Centro Superior de Formação Repsol e é ministrado fundamentalmente em Madri, com alguns módulos em parceria com a Heriot-Watt University, em Edimburgo (Escócia). O corpo docente é formado por professores de conceituadas universidades internacionais e renomados profissionais da indústria", explica Daniele Lemos, gerente de Gestão de Pessoas da Repsol Sinopec Brasil.
 
O Programa tem duração de dez meses – as aulas começam em agosto e vão até junho de 2015. Os brasileiros selecionados integram uma turma com alunos de diversas nacionalidades – todos estudam em tempo integral, totalizando 1.500 horas de aula. Além de a Repsol arcar com todos os custos do curso, os participantes recebem uma ajuda de custo para cobrir os gastos com estadia.
 
Após o término do curso, os participantes retornam à Repsol Sinopec Brasil e têm a chance de colocar em prática tudo o que aprenderam.
 
 
Requisitos
  • Os candidatos devem possuir diploma em engenharia de petróleo, geologia ou geofísica obtido nos últimos quatro anos;
  • Possuir nível avançado em Inglês;
  • Ter disponibilidade para participar do curso, em tempo integral.

Inscrições em www.linkedin.com/company/repsol-sinopec-brasil.


 

 
 
Sexto edital do programa Costa Atlântica beneficia seis instituições
Programa da SOS Mata Atlântica seleciona projetos que se dividem em duas linhas de atuação
 
 
Em seu 6º edital, o programa Costa Atlântica, desenvolvido pela Fundação SOS Mata Atlântica com patrocínio da Repsol Sinopec Brasil, contemplará seis instituições. São eles: Aquasis – Associação de Pesquisa e Preservação de Ecossistemas Aquáticos (CE); Associação Voz da Natureza (ES); Comissão Ilha Ativa (PI); Fundação de Estudos e Pesquisas Socioeconômicos (SC); Fundação Mamíferos Aquáticos (PB); e SALT – Sea & Limno Technology Consultoria Ambiental (SP).
 
 
As organizações selecionadas receberão cerca de R$ 300 mil reais para a realização de projetos que promovam a conservação da biodiversidade e a sustentabilidade das zonas costeira e marinha sob influência do bioma Mata Atlântica. Com a exceção da Fundação Mamíferos Aquáticos, cujo projeto promove o uso sustentável de recursos pesqueiros e de recursos naturais com a geração de emprego e renda em comunidades locais, os projetos das demais instituições se enquadram na segunda linha de atuação do Costa Atlântica, que promove o fortalecimento de Unidades de Conservação Marinha.
 
"Esse é um grande diferencial, pois corresponde à necessidade de criação de Unidades de Conservação da Costa Atlântica. Além disso, os projetos são importantes para o desenvolvimento regional e o fortalecimento das comunidades locais", afirma Camila Keiko Takahashi, bióloga do Programa Costa Atlântica. O Brasil tem uma zona costeira e marinha de mais de 4 milhões de quilômetros quadrados, mas apenas 1,57% dela encontra-se protegida sob alguma forma de Unidade de Conservação.
 
Única empresa de petróleo parceira da SOS Mata Atlântica, a Repsol Sinopec também patrocina o projeto Florestas do Futuro, que reúne a sociedade civil organizada, a iniciativa privada, proprietários de terras e o poder público em um programa participativo de restauração florestal.


 


 
Repsol divulga os vencedores do Desafio ValorEs
Funcionário da Repsol Sinopec Brasil é premiado na categoria Integridade
 
 
Com o objetivo de saber como os empregados vivem os valores da companhia – integridade, responsabilidade, transparência, flexibilidade e inovação – em seu dia a dia profissional, identificar as melhores práticas e difundi-las para que outras áreas possam adotá-las, a Repsol promoveu o Desafio ValorEs Repsol. A premiação ocorreu no dia 28 de janeiro na sede da empresa em Madri, com a presença do presidente da companhia, Antonio Brufau.
 
 
"A imaginação de vocês, suas ideias e seu talento são fundamentais para a companhia, demonstram a vitalidade da Repsol manifestada pelas pessoas que a compõem. É um exemplo espetacular. Estou orgulhoso de vocês e do trabalho que vocês estão fazendo", afirmou Brufau durante a cerimônia.
 
O analista de Compras e Contratações da Repsol Sinopec Brasil, Alex Sandro da Costa, foi um dos 23 vencedores, entre os quase 8 mil participantes. Ele foi premiado na categoria Integridade. "O projeto que apresentei foi o de criar uma ferramenta para reconhecer e medir objetivos e indicadores relacionados aos valores organizacionais. A ideia seria a montagem de um painel estratégico definindo indicadores de valores e metas para que os colaboradores da organização possam saber que medidas e ações devem tomar para alcançar determinado objetivo", explica Costa.
 
O Desafio ValorEs Repsol, o primeiro organizado em nível global da companhia, foi iniciado no dia 17 de setembro. Dirigido a todos os negócios e áreas corporativas, contou com um total de 7.785 participantes de 24 países, que contribuíram com 9.174 exemplos individuais e de equipe. As propostas, compiladas até o dia 25 de outubro, foram analisadas e classificadas em dois grupos - Propostas de Condutas e Ideias de Negócio - durante os meses de novembro e dezembro.
 
"Cultura é aquela maneira de se comportar que, alinhada com os valores, possibilita que os planos sejam cumpridos e os objetivos atingidos. A cultura serve para alavancar os resultados, criando um contexto que possibilite almejar novas metas. Neste sentido, o desafio ValorEs Repsol permite que cada pessoa tenha o seu espaço de liberdade para contribuir e colaborar num espaço em rede, que converte o implícito em explícito, fazendo com que todos melhoremos", disse o diretor de Cultura Corporativa e Desenvolvimento de Pessoas da Repsol, Jaime Martínez.